terça-feira, 4 de novembro de 2008

ESSA TAL DEMOCRACIA - EXTRA


É impressionante a expectativa que se criou em torno do candidato do Partido Democrata na corrida à presidência dos EUA. Aqui no Brasil, inclusive, e em vários outros pontos ao redor do globo. Estava lendo alguns jornais on line, agora, e pude perceber essa "torcida" por Barack Obama, o que me fez voltar para este post extra.
Ao que parece, o fato de Obama ser afrodescendente faz as pessoas pensarem que haverá mudanças profundas nas relações EUA-mundo. Doce ilusão... o candidato democrata passou todo o tempo de sua campanha tendo o cuidado de "descolar" sua imagem da possibilidade de oferecer uma mudança radical. Sabe que, para ganhar as eleições, precisa mostrar ao eleitorado WASP* que será sinônimo da continuidade. Ainda assim, corre sério risco de sofrer um atentado...
Historicamente, os presidentes do Partido Democrata são ligados aos movimentos sindicais norte-americanos. Isso significa políticas protecionistas e, por conseguinte, endurecimento nas relações comerciais com os países periféricos (including Brazil, my brother!). Neste sentido, um presidente republicano seria "menos pior".
Obama não quer se mostrar como candidato defensor das minorias, embora ninguém despreze votos de cubanos, judeus e portorriquenhos (todos, por sinal, mais simpatizantes dos republicanos que dos democratas). Portanto, nada mudará. A política externa estadunidense continuará a mesma porcaria, e nós continuaremos a ser considerados "quintal" ianque.
A propósito, não torço por ninguém. Escolher entre Obama e Mc Cain é como comparar seis com meia dúzia...

* White, Anglo Saxonic and Protestant, ou Branco, Anglo-Saxão e Protestante, o típico representante da classe média conservadora dos EUA.

Um comentário:

Carlos José disse...

Você descreveu, em um texto maravilhoso, o que tenho falado com algumas pessoas em off!
Obrigadíssimo!
Abraços!
Carlão